quarta-feira, 19 de abril de 2017

Autoconhecimento – O primeiro passo.


Nesta publicação farei um pequeno comparativo de uma das coisas que envolvem o combate, dentro da perspectiva da Arte Ving Tsun no dia a dia.

Metre Julio Camacho e o instrutor Claudio Teixeira em um café da manhã conversando sobre Siu Nim Tao, primeiro dispositivo dentro do sistema Ving Tsun.


Todos os dias entramos em contato com diversas pessoas, nos mais variados lugares, com as mais diversas disposições de ânimo, nos mais variados momentos e com propósitos distintos. Parece pouco, mas saber lidar com tudo isso não é tão fácil, pois nós mesmos variamos de estado em estado dentro de todas estas afirmativas, ou seja, hora estamos bem, hora não tão bem, hora mais animados e em outras nem tanto. Os lugares onde andamos estão em constante mudança e, querendo ou não, isso nos afeta. Então, dentro do contexto Marcial, qual seria um dos meios para que consigamos vivenciar tanta coisa e sair de tudo isso o mais ileso possível?




Metre Julio Camacho e Fabio Gomes no Ving Tsun Museum (Dayton, Ohio) em 1999.


No livro a Arte da Guerra, Sun Tzu diz o seguinte: “Aquele que conhece a si mesmo, o ambiente e o seu adversário certamente ganhará a batalha.”
Baseados no texto acima podemos entender que o primeiro passo é nos conhecermos, o que envolve entrar em contato com tudo aquilo que somos: Nosso corpo com suas limitações, nossas mais variadas emoções e o que as alimenta, nosso intelecto, etc.




Eu, Meu Si fu Julio Camacho e meu irmão Kung fu e amigo Claudio Teixeira no Aeroporto Tom Jobim antes do embarque para uma série de seminários ministrados na Argentina.

O primeiro passo quando iniciamos na arte Ving Tsun é acessar o dispositivo do Siu Nim Do, que é uma seqüência de movimentos dividida por partes que formam um todo onde começamos a lidar com o nosso corpo dentro de um mundo inteiramente marcial, o que nos proporciona uma consciência corporal que não tínhamos...Começamos, então, automaticamente a nos observar e perguntas internas como: Como está o meu braço neste movimento? Como está a minha base? Como está meu quadril? Minha s pernas estão bem?...E tantas outras começam aparecer. São perguntas que nos remetem a nós mesmos, ao nosso mundo externo de movimentos, o qual é gerado por disposições internas de realizá-los. Desta forma está dado o primeiro passo para tentarmos conhecer a nós mesmos, embora precisamos ter bem clara a consciência de que este processo é eterno, pois como eu disse logo na minha primeira postagem, citando uma frase do meu Si fu, a perfeição é algo inalcançável, porém uma vez iniciado o treino, a gente sempre vai querer chegar lá.


Até breve.

2 comentários:

  1. Desejo sempre, muito sucesso, meu Irmão, em todos isso níveis e nos diversos aspectos.TFA.:

    ResponderExcluir
  2. Obrigado pelo carinho meu querido.
    Vamos em frente.
    Forte abraço.

    ResponderExcluir